jusbrasil.com.br
6 de Abril de 2020

Discriminação Religiosa. Temos que acabar com isso.

Roberto Fochi, Estudante
Publicado por Roberto Fochi
há 6 anos

Por Roberto Carlos Fochi

Ao longo da historia nos deparamos com muitos casos de intolerância religiosa, principalmente nas regiões onde a religião possuía uma posição de poder. Na idade média os Judeus foram perseguidos e descriminados pela doutrina da Igreja Católica da época, a qual dizia que os Judeus eram coletivamente e permanente responsáveis pela morte de Jesus Cristo. Também podemos lembrar o Holocausto, onde cerca 6 milhões de Judeus foram assassinados, no século passado.

Na atualidade, ainda há muitas perseguições religiosas pelo mundo, principalmente em países como o Iraque, a China, o Paquistão e a Arabia Saudita. No Brasil, as coisas são diferentes, a Constituição Federal de 1988, define o Brasil como um país laico assegurando, também, o livre exercício dos cultos religiosos e a proteção dos locais de culto. Além disso a Lei 7.716 de 1989, considera crime a pratica de descriminação religiosa.

Entretanto, a discriminação continua muito intensa, religiões agem como se fossem adversárias. Os cultos Afro-brasileiros, por se aproximarem do folclore são vistos como bruxarias, a Maçonaria, por possuir cultos secretos, é relacionada com o diabo, Evangélicos também sofrem com deboches por suas crenças. Mas os ateus são os que mais sofrem com isso, pelo fato de não acreditarem em seres sobrenaturais, são visto por diversos integrantes de todas as religiões como criminosos ou pessoas que só fazem mal aos outros.

Grande parte da pessoas que sofrem com a discriminação religiosa também as comete, de forma a tentar aliviar o preconceito sofrido, poucos entendem que esse ato só agrava esse problema. Infelizmente os casos de condenação por discriminação religiosa são escassos, já está mais que na hora da justiça fazer vistas grossa parra este tipo de preconceito.

4 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Wow... medo de tto preconceito e burrice juntos...Entendo bem. Sou ateia e há uns 3 dias fui expulsa do grupo de Pedagogia, apos criticar ou melhor, retrucar, como escreveram, sobre 1 vídeo q fala sobre famosos como Lennon, Marilyn, Mamonas, Tancredo... q tiveram como castigo a morte por não crerem num ser imaginário... Ah, comecou antes, pois dentro do grupo, postaram para votar na page do Senado contra o homossexualismo e eu fui contra, pq cçs não devem ser induzidas ao ódio, preconceito e todos queremos e devemos respeito, ai deu tititi. Queria ver terem coragem e peito para fazerem isso com bandido. Ha... Mas sobre o video, após elas postarem a bíblia (só as partes bonitinhas, claro!) não gostei e tb me senti no direito de postar algumas imagens e expressar minha humilde opinião sem ofender nenhum ser humano, sobre o assunto. Aí, além de insinuarem q quem não crê no deus deles, gosta do diabo kkkkk escreveram várias críticas, então publiquei mais imagens, discutiram e por opinião geral, fui expulsa do grupo de Whats da Facul...chorei de raiva...puxa, não faço mal a ninguém, pelo contrário, sou a favor do bem, dos bons e inocentes, da ética e é isso, só isso q falsos religiosos fazem: espalhar a raiva, o preconceito e coisas ruins, em nome de uma maldita fantasia criada pelo homem! Pior é pensar no futuro do meu filho e qdo as aulas voltarem serei crucificada e depois ignorada, como costuma acontecer... :'s Futuras professoras ignorantes e preconceituosas! Isso, se passarem, já q só lia da maioria no grupo: não estudei mas deus me ajudará...aff... continuar lendo

Participo Da paróquia São Pio X, em Camaragibe - Pernambuco.
este ano fiz parte da equipe visitação.
Nos 3 casais que tenho que visitar, tem um casal em que o esposo se considera católico, mas vez ou outro vai a um centro espírita (kardecista), a filha já faz primeira comunhão, a esposa e o esposo frequenta uma igreja católica próximo a sua casa. Chegamos a visitar o casal e estavam super. animado por serem escolhidos. Confirmamos tudo e explicamos tudo para eles, já tinha planejado tudo para o encontro, mesmo eles com duas filhas menores. Quando passei para o coordenador sobre a situação que já estava na ficha de inscrição feita anteriormente pelos casais fichas. Pediram-me que não nos comunicasse mais com o casal, pois eles estavam fora do perfil do ecc. Que não aceitavam casais que se diziam católicos e frequentavam outra religião. Ora, conforme o estatuto não há nenhuma discriminação quanto as religiões conforme o artigo 3º e a fé deles não é contraria ao que se propõe e que seja respeitada a indissolubilidade do matrimônio e os princípios cristãos. Pelo contrário são pessoas muito cristãs.
E onde está o amor ao próximo?,
a preservação da família através do amor mutuo?,
prestação de serviço a comunidade e a educação dos filhos na doutrina Crista?
Que tanto o ECC prega? (e que eles vem fazendo levando sua filha para fazer a primeira comunhão em uma igreja católica). Essa família (esposo também) quer se aproximar da igreja, mas em vez disso a igreja católica da qual participo estão afastando da presença de Cristo com este preconceitos e discriminação. Lamentavelmente também não vou me afasta de cristo, mas, desta igreja (paróquia), porque isso eu não aceito. Não vou para outra denominação. PRECONCEITO ESTOU FORA.
Abaixo o estatuo 2 e 3 do ecc
ARTIGO 2º - 0 ENCONTRO DE CASAIS COM CRISTO VISA DE MODO ESPECIAL:
a) a pastoral familiar;
b) o amor ao próximo;
c) a preservação da família através do amor mutuo:
d) a educação dos filhos na doutrina Crista;
e) prestação de serviço a comunidade. '-
ARTIGO 3º - 0 ENCONTRO DE CASAIS COM CRISTO, tem por base a religião Católica
Apostólica Romana, sem fazer, porém, discriminação as pessoas de outras religiões,
Raça, ou Partido político, desde que, sua fé não seja contraria ao que se propõe e que seja respeitada a indissolubilidade do matrimônio e os princípios cristãos. Tem por finalidade primeira a pastoral da família, tendo como meta prioritária a sua. preservação e crescimento na Doutrina Crista, bem. Como, aproximar os casais e suscitar a fraternidade. continuar lendo

Olá, boa noite, meu nome é Thiago sou espírita umbandista, e queria saber como faço a respeito do que está acontecendo comigo no meu trabalho pelo motivo de ser umbandista, no dia 19 de julho fui chamado pelo meu encarregado para uma conversa, e ele me disse que meus colegas de trabalho estavam reclamando por eu está assobiando cantando alguns pontos do terreiro, sendo que a maioria das pessoas que trabalham comigo são evangelicas e católicas, até aí tudo bem, normal, mais comecei a me sentir constrangido pelo fato do meu chefe ter falado que as pessoas tinham se reunido com uma outra encarregada e pedido para que eu fosse retirado do trabalho em grupo que temos em certo horário prq as pessoas não se sentiam bem trabalhando ao meu lado, pelo motivo da minha religião, e isso foi acatado pela encarregada sem ao menos terem conversado comigo e exposto o motivo pelo qual eu estava sendo afastado desse grupo, e quando fiquei sabendo tentei levar o fato a direção da empresa e os mesmos acataram o pedido dos demais colegas avisando que eu seria transferido de horário pôs os colegas não me queriam no mesmo plantão que eles e eu ainda fui advertido verbalmente por expor a minha religiao, e com um tom irônico ainda falaram que todos da empresa já sabiam e que estava tendo vários comentarios a respeito do funcionário macumbeiro, eu estou me sentindo muito mal com isso, pois me senti constrangido pelo fato de estar acontecendo isso. Alguém pode me dar um conselho a respeito desta situação? continuar lendo

Muito perspicaz o artigo, parabéns!

O que as pessoas esquecem Roberto é que Deus, em sua sabedoria e inteligência tão grandes, nos deu até mesmo a liberdade de escolher acreditar Nele ou não.
Fica claro, pela minha afirmação, que sigo uma doutrina religiosa. Contudo, acredito que Fé e crença são coisas um tanto quanto distintas e distantes, ainda confundidas por ignorantes e falsos "profetas" da palavra divina.
De qualquer forma, os debates religiosos ainda causam grande fadiga na sociedade brasileira, que apesar de sua laicidade (conceito que se restringe ao mundo jurídico), ainda tem muitas questões sociais a serem debatidas e que continuam inertes em virtude do clamor religioso, que impede suas soluções. continuar lendo